Novidades

03 Julho, 2018
”O progresso está ligado à abertura ao mundo”
Gustavo Grobocopatel: "O progresso está ligado à abertura ao mundo" Gustavo Grobocopatel, produtor agrícola, empresário e presidente da Los Grobo, esteve no 50 Minutes, do LN +, e falou sobre as questões econômicas e políticas que dizem respeito à Argentina. "Eu acho que o progresso está ligado à abertura para o mundo, tudo o que está fechando, complicando a ação das empresas, não vai porque você não tem quem gera riqueza", afirmou.

Quando perguntado se o governo de Mauricio Macri tinha feito bem para abrir o mercado e liberalizar os preços da economia, ele apoiou a atual gestão: "Houve erros, mas conceitualmente o progresso e a luta contra a pobreza está ligada para facilitar os fluxos capital, conhecimento e bens e serviços. Quanto mais fluxos houver de retorno e retorno - porque você tem que importar e exportar - mais progresso existe".

Quando perguntado sobre o desequilíbrio comercial, ele reconheceu que o aumento das exportações é "uma grande dificuldade". Segundo ele, não há esforços suficientes nesse sentido. "Assim como há uma preocupação com o déficit, devemos ter igual preocupação e igual coordenação para tentar exportar mais", disse ele. Ele esclareceu que acredita que a nomeação de Dante Sica como Ministro da Produção melhorará essa situação, porque ele é um especialista que trabalhou nessas questões.

Grobocopatel falou do desafio de industrializar os produtos que são exportados. Se isso falhar, ele acredita que é porque durante décadas ele extraiu dinheiro do setor agrícola e, se isso acontecer, de acordo com seus critérios, não há poupança e não há investimento. "Quando pensamos que temos que ser o supermercado no mundo ou, como disse Cristina, industrializar a ruralidade, isso pode ser feito se tivermos mercados abertos, a Argentina e o Brasil também estão entre os mais fechados do mundo", disse ele. Ele acrescentou: "Então, por um lado, queremos industrializar e achamos que é a panacéia e, por outro lado, não tomamos as medidas políticas para que isso aconteça".

Ele disse: "Felizmente, a China exige o que produzimos, não só a China, mas a Europa e o resto do mundo, por isso temos algo para vender, somos importantes em algo, mas aí você não resolve o problema. valor, diversificar, etc.".

Sobre a notícia de que a Argentina é considerada um mercado emergente, disse: "Por mais que seja como uma liberdade condicional, é uma ótima notícia, porque há muitos fundos no mundo que investem se você está emergindo, mas não se você está na fronteira." E ele se aventurou: "Certamente eles trarão mais investimentos".

--
Fonte:
Diario La Nación
Tradução automática do espanhol.

Voltar