Novidades

10 Junho, 2019
OPEP de soja
A soja é a commodity agrícola que apresentou a maior taxa de crescimento nas últimas três décadas. A expansão acelerou-se acentuadamente na última década: em 2010, a produção mundial foi de pouco mais de 200 milhões de toneladas. Hoje está chegando a 400.

Por Hérctor Huergo. Publicado em clarin.com

A taxa de crescimento mais rápida ocorre na América do Sul. Há dez anos, o Brasil e a Argentina, juntos, chegaram aos Estados Unidos. Praticamente não havia outros atores, do lado da oferta, enquanto a demanda crescia para os saltos em particular nos países emergentes. Em particular, a China, que se tornou um verdadeiro aspirador de soja.

Transição alimentar de uma dieta rica em amido e vegetais para uma maior propensão para consumir proteína animal, fenômeno motorizado típico de sociedades para melhorar seu poder de compra. A farinha de soja é um componente fundamental dos alimentos consumidos por todos os insetos que andam e vão até o espeto.

E o óleo segue a mesma tendência: lembre-se do Kentucky Fried Chicken (frango frito) da Praça Tiananmen, a primeira franquia de fast food uma empresa americana na China. Instalada recentemente, em 1989, foi a Vieytes Jabonería de jovens que se rebelaram contra o regime há exatamente trinta anos. Além disso, a carne sempre vem com batatas fritas.

Assim, a China expressa praticamente metade da demanda mundial por soja. Mas todo mundo precisa, dos antigos consumidores europeus, que fizeram a transição alimentar há dez mil anos e pintaram nas Cavernas de Altamira. As pinturas rupestres mostram touros.

O caminho da soja fez com que a Argentina encontrasse uma oportunidade extraordinária. Foi desperdiçado pela inexperiência K, entretido em outras preocupações. Mas a erva daninha pressionou contra o chão para segurar o pampero, e lá está vivo e chutando. Silenciosamente, a maior moagem capacidade (esmagamento) do mundo com plantas mega-arte, que processam 20.000 toneladas por dia (800 caminhões) e colocar o país na vanguarda mundial de farinha e óleo de rosa. Os Estados Unidos e o Brasil exportam principalmente grãos não processados.

À medida que o final do século XIX, a demanda por carne bovina de Dickens England Revolution Motorizado primeiro dos Pampas, a demanda por proteínas animais activado segundo lugar, temos o privilégio de protagonista. E o dever de alertar, porque os adversários também jogam.

Estes dias, alguns economistas colocar em jogo Anosa ideia que inventou, quinze anos atrás, o brasileiro Roberto Rodrigues (factotum de políticas públicas agroindustrial, desde a época de Fernando Henrique Cardoso) e o maior produtor e pensador argentino Gustavo Grobocopatel: OPEP de soja.

Tomando a experiência dos países petroleiros, liderada pelo mundo árabe, a intenção era administrar a oferta para "defender" os preços. A ideia surgiu quando a soja valia menos de US $ 200 por tonelada. Foi esquecido quando o mercado, sozinho, levou para 600 em três ou quatro anos.

Agora, por volta de 300, alguém colocou de volta na mesa. A proposta é coordenar com o Brasil para controlar a oferta, a fim de aumentar os preços. Na minha opinião, é uma proposta imprudente.

A OPEP surpreendeu o mundo na década de 1970, sem possibilidade de substituir o petróleo. Mas o Ocidente imediatamente tomou o cuidado de encontrar uma saída para os estoques. No final do dia, o encorajamento serviu para acelerar o fim do reinado. Fontes alternativas de energia foram desenvolvidas, desde as renováveis ​​até o vigoroso processo de xisto.

Com a soja, a piada pode custar muito mais caro. Tenha cuidado Vai continuar ...

Tradução automática do espanhol.

Voltar