Novidades

02 Setembro, 2019
Rotação de ativos e boas práticas, as chaves para o controle de plantas daninhas resistentes
Da Agrofina, eles recomendam apostar no Alana, seu novo herbicida de faixa verde que usa dois modos de ação diferentes. Além disso, a empresa lançou dois graminicidas.

O controle de plantas daninhas resistentes é uma das questões que mais interessa ao produtor. E isso foi observado no Congresso Aapresid, onde as empresas levaram seus produtos para garantir uma campanha com bons resultados, mantendo o compromisso com o cuidado ambiental.

É o caso da Agrofina, que possui um dos mais amplos paletes de herbicidas do mercado, que lançou três produtos: Alana, um herbicida pré-semeado em banda verde para o cultivo de soja para controle de yuyo vermelho e galho preto; e dois graminicidas, que possuem uma concentração mais alta que permite a aplicação de uma dose mais baixa, o que se traduz em 150 toneladas a menos de tambores plásticos no ambiente.

Em diálogo com o Infocampo, o gerente de desenvolvimento da Agrofina, Lisandro Guerrieri, destacou que o importante para combater as ervas daninhas resistentes é “rotacionar ativos”, de modo que Alana é uma excelente opção, pois utiliza dois modos de ação diferentes.

“Também precisamos procurar ferramentas que não sejam químicas, como rotação de culturas, culturas de serviço, espaçamento entre linhas, práticas culturais, ver datas de plantio. Há muitos aspectos a serem considerados”, afirmou Guerrieri em relação às boas práticas.

A empresa avança em soluções para o centeio resistente, estimado em cerca de 3 milhões de hectares. “Para isso, temos um produto já posicionado que lançaremos no próximo ano, que na verdade é uma extensão de registro. É uma mistura de imidazolinonas ”, afirmou o gerente.

No sul, a erva daninha importante é o nabo resistente, para o qual Guerrieri recomendou o Talis, com flurocloridona, que funciona muito bem.

“Paralelamente, estamos trabalhando em novas ervas daninhas, vemos que hoje existem 36 biótipos resistentes. O avanço do ramo negro está sendo suspeito”, disse ele. Marina Friedlander. www.infocampo.com.ar

Voltar